Topo

Ribera del Duero

Ribera del Duero é uma região vinícola que produz vinhos de altíssima qualidade. Está localizada ao longo do rio Duero (nome que recebe o rio Douro em espanhol), nas províncias de Soria, Burgos, Segovia e Valladolid, na comunidade autônoma de Castilla y León.

A Denominação de Origem Ribera del Duero conta com mais de 300 bodegas, muitas das quais estão abertas à visitação. Os lugares mais interessantes ficam no trecho compreendido entre Quintanilla de Onésimo, na província de Valladolid, e La Vid, na província de Burgos.

Chegamos em São Bernardo, nosso local de hospedagem, à noite. Nosso hotel foi o Castilla Termal Monasterio de Valbuena.

O primeiro spa com 5 estrelas em Castilla y León e está localizado em um dos mais preservados mosteiros cistercienses do século 12 na Europa. Um lugar muito especial!

Deixamos nossas malas no nosso quarto, que era fantástico e fomos jantar na cafeteria do hotel.

 

Comida bem gostosa, atendimento super rápido e atencioso. Degustamos um bom vinho e fomos descansar.

 

O café da manhã no hotel era fantástico. Tinha de tudo que você pode imaginar. Delicioso!!!

Tínhamos uma visita agendada para esse dia, mas resolvemos cancelar e fazer nosso roteiro conforme fossemos passando pelas cidades.

Começamos visitando uma vinícola ao redor do hotel, que, inclusive, faz um vinho especial para o hotel, chamado Converso: Valdebodega.

Quem nos recebeu foi o dono e patriarca da família. Um Sr. muito fofo. Extremamente atencioso, nos contou sua história e nos mostrou sua pequena área de produção, que fica localizada nos fundos da sua casa.

Eles estão construindo uma nova bodega, mas só deve ficar pronta dentro de alguns meses. Enquanto fazíamos a visita, chegou o entregador de garrafas e o fiscal que faz a verificação dos vinhos da região. Interessante!!! Eles não tem degustação por serem pequenos, mas, pelo atendimento, levamos uma garrafa de cada para degustarmos em casa.

Seguimos caminho para Peñafiel, passando por algumas pequenas e lindas cidades. Em Peñafiel, fomos conhecer o Castelo.

As obras de construção do Castelo de Peñafiel começaram no século X, embora a estrutura contemporânea tenha sofrido grandes intervenções durante os séculos XIV e XV. Esta fortaleza medieval foi declarada Monumento Nacional em 1917 e atualmente é um verdadeiro emblema do enoturismo em Ribera del Duero.

O Museu Provincial do Vinho foi localizado no Castelo Peñafiel em 1999 e recebe 100.000 visitantes por ano. Uma visita ao Museu Provincial do Vinho introduz os turistas à história e cultura do vinho, revelando as técnicas de produção para obter alguns dos vinhos mais famosos do mundo.

A sala de degustação oferece degustações guiadas de vários vinhos Denominação de Origem Ribera del Duero, bem como cursos de degustação e degustações profissionais. Você pode escolher entre visitar o Castelo, visitar o museu ou ambos. Nós fizemos apenas a visita ao Castelo.

Um passeio guiado, onde nos levam no interior do castelo e podemos aprender um pouco mais sobre a história desse magnífico lugar.

 

Durante o passeio, a guia nos mostrou uma vinícola que ela dizia ser muito boa. Decidimos sair do castelo e achar o caminho até lá. Detalhe, não lembrávamos o nome. Como o Joca é muito bom em localização, achou o caminho até a vinícola. E foi uma deliciosa descoberta. Que lugar incrível!!! Pago de Carraovejas.

As visitações para o dia já estavam encerradas pois eles combinam visita com almoço, e as vagas já estavam esgotadas. Mas, além do restaurante, eles tem um bar, com algumas mesas, uns petiscos, vinhos e uma vista sensacional!!!

Sentamos, pedimos uns petiscos, um jamon hibérico que eles cortam na hora, e fizemos uma degustação completa dos vinhos disponíveis nos bar.

 

 

Depois de apreciar bastante a vista do local,

 

seguimos nosso tour pela região, e fomos até Valladolid, onde tínhamos um jantar reservado.

Estacionamos e saímos bem em frente a Igreja. Linda!!!

Mas como era tarde, fomos direto para nosso jantar. Restaurante Trigo.

1 estrela guia michelin e 2 sóis guia repsol. Simplesmentte impecável! Um ambiente pequeno mas bem aconchegante.

Nossa atendente era muito simpática e atenciosa. Super preocupada em nos agradar.

A comida estava muito gostosa e o Joca escolheu um vinho super especial.

 

Com certeza, a melhor refeição da viagem. Super recomendo!!!

Nosso dia começou na Finca VillaCreces, onde havíamos agendado um picnic com passeio de bike.

Durante vários séculos, Villacreces foi um centro de retiro para os eremitas franciscanos dedicados à reflexão e penitência, bem como trabalho de campo e observação da natureza. Em 2004, os atuais proprietários que já tinham adega em Rioja (Izadi) e Toro (Vetus), adquiriram a propriedade. Após a remodelação da adega e um trabalho consciencioso de recuperação da vinha, a Villacreces foi reaberta em 2007, com 64 he de terras.

Nosso passeio foi ao redor das 15 parcelas de vinhedos. Nossa guia, muito simpática, nos levou para um delicioso passeio de bike ao redor das vinhas. Para cada parada, uma explicação sobre as uvas ali encontradas.

Não fomos na área de produção. Ela apenas nos mostrou o local pelo seu exterior. Seguimos de bike até o local do picnic.

Eles providenciam um cesta com as comidas, o vinho e um cobertor que serve como toalha para nos alojarmos no local escolhido. Escolhemos um canto ao redor de algumas árvores e estendemos nossa toalha. A comida estava bem gostosa.

O vinho foi o Pruno. O melhor vinho espanhol da história por menos de 20 dólares, segundo Robert Parker.

Estava bem agradável! A única coisa desagradável, foi o frio. Estava ventando muito e acabamos nosso picnic sentados nas cadeiras e cobertos pela toalha do picnic, degustando nosso vinho para nos manter aquecidos. 🙂

Retornamos para o hotel e fizemos o tour pelo monastério.

O tour, para ser guiado, tem que ter agendamento prévio, com horários pré determinados por eles. Fizemos o tour com o tradutor individual. Lindo o local e bem interessante a história.

Foi fundada no século XII por Estefanía Armengol, em 15 de fevereiro de 1143. Foi repovoada em 1151 por monges da abadia francesa de Berdona, e chegou a acumular importantes níveis de poder na Idade Média, graças aos privilégios papais, reais e imponentes concedidos, ao longo da segunda metade do século XII e nas primeiras décadas do século XIII.

No entanto, esta situação mudou nos séculos góticos. No final do século XIII e XIV, todo o monastério entrou num período de declínio, que só recuperou sua importância durante os séculos XVI, XVII e grande parte do século XVIII, onde monastério manteve a sua atividade religiosa.

Na segunda década do século XVIII e especialmente nos primeiros anos do século XIX, o mosteiro sofreu mais uma vez uma crise.  Durante a segunda metade do século XX, o Instituto Nacional de Colonização realizou alguns pequenos trabalhos de restauração no mosteiro, mas foi á partir de meados dos anos 90 do século XX, que à fundação As Eras do Homem,  recuperou o seu esplendor do passado.

Em 2002 instalou a sua sede permanente no monastério, e em uma parte do mosteiro foram instalados os escritórios de restauração e oficinas, enquanto na outra ala o hotel.

A igreja do mosteiro é um claro exemplo da sobriedade característica da arquitetura cisterciense. O claustro e todas as dependências monásticas que foram reconstruídas depois da igreja, no século XIII, são exemplos muito característicos de uma arquitetura transitória entre a estética românica e a do final da Idade Média.

Um tour delicioso e muito agradável, que pode ser feito por qualquer pessoa, independente de ser hóspede. Recomendo!!!

Os hóspedes do hotel podem reservar um tour de uma vinícola local sem custo. Fizemos esse agendamento. Andamos até o local. Uma agradável caminhada. Baden Numen era a bodega.

Uma vinícola familiar, de médio porte. Fomos recepcionados por um dos donos. A visita é feita na área de produção da mesma.

Um espaço único e, relativamente, pequeno. Nos mostrou as vinhas, de longe, e seguimos para a degustação. Degustamos todos os vinhos produzidos no local. Baden 2018, Baden Crianza 2016 e Baden reserva 2016.

Vinhos elaborados com carinho são sempre muito gostosos. Quando todos foram embora, ficamos um pouco mais para saber de mais detalhes da história deles. Foi quando ele nos surpreendeu com uma garrafa do primeiro vinho produzido por eles. Baden Crianza 2009.

Que vinho especial!!! Gostamos muito de tudo! Uma visita muito agradável.

 

Voltamos para o hotel, curtindo um maravilhoso pôr-do-sol.

Antes, paramos na lojinha dos donos da Baden para abastecer a mala antes de retornar para o Brasil. Acho que exageramos um pouquinho!!! 25 vinhos nas malas. 🙂

Nossa última noite, resolvemos jantar no restaurante do hotel. Não nos arrependemos. Comida muito gostosa, atendimento top e ambiente muito agradável. Boa carta de vinhos e um preço muito bom.

 

 

Já estamos com saudades dessa deliciosa viagem. Espero que tenham gostado da mesma forma que nós.

Até o próximo roteiro…

 

 

 

Ribera del Duero é uma região vinícola que produz vinhos de altíssima qualidade. Está localizada ao longo do rio Duero (nome que recebe o rio Douro em espanhol), nas províncias de Soria, Burgos, Segovia e Valladolid, na comunidade autônoma de Castilla y León.

A Denominação de Origem Ribera del Duero conta com mais de 300 bodegas, muitas das quais estão abertas à visitação. Os lugares mais interessantes ficam no trecho compreendido entre Quintanilla de Onésimo, na província de Valladolid, e La Vid, na província de Burgos.

Chegamos em São Bernardo, nosso local de hospedagem, à noite. Nosso hotel foi o Castilla Termal Monasterio de Valbuena.

O primeiro spa com 5 estrelas em Castilla y León e está localizado em um dos mais preservados mosteiros cistercienses do século 12 na Europa. Um lugar muito especial!

Deixamos nossas malas no nosso quarto, que era fantástico e fomos jantar na cafeteria do hotel.

 

Comida bem gostosa, atendimento super rápido e atencioso. Degustamos um bom vinho e fomos descansar.

 

O café da manhã no hotel era fantástico. Tinha de tudo que você pode imaginar. Delicioso!!!

Tínhamos uma visita agendada para esse dia, mas resolvemos cancelar e fazer nosso roteiro conforme fossemos passando pelas cidades.

Começamos visitando uma vinícola ao redor do hotel, que, inclusive, faz um vinho especial para o hotel, chamado Converso: Valdebodega.

Quem nos recebeu foi o dono e patriarca da família. Um Sr. muito fofo. Extremamente atencioso, nos contou sua história e nos mostrou sua pequena área de produção, que fica localizada nos fundos da sua casa.

Eles estão construindo uma nova bodega, mas só deve ficar pronta dentro de alguns meses. Enquanto fazíamos a visita, chegou o entregador de garrafas e o fiscal que faz a verificação dos vinhos da região. Interessante!!! Eles não tem degustação por serem pequenos, mas, pelo atendimento, levamos uma garrafa de cada para degustarmos em casa.

Seguimos caminho para Peñafiel, passando por algumas pequenas e lindas cidades. Em Peñafiel, fomos conhecer o Castelo.

As obras de construção do Castelo de Peñafiel começaram no século X, embora a estrutura contemporânea tenha sofrido grandes intervenções durante os séculos XIV e XV. Esta fortaleza medieval foi declarada Monumento Nacional em 1917 e atualmente é um verdadeiro emblema do enoturismo em Ribera del Duero.

O Museu Provincial do Vinho foi localizado no Castelo Peñafiel em 1999 e recebe 100.000 visitantes por ano. Uma visita ao Museu Provincial do Vinho introduz os turistas à história e cultura do vinho, revelando as técnicas de produção para obter alguns dos vinhos mais famosos do mundo.

A sala de degustação oferece degustações guiadas de vários vinhos Denominação de Origem Ribera del Duero, bem como cursos de degustação e degustações profissionais. Você pode escolher entre visitar o Castelo, visitar o museu ou ambos. Nós fizemos apenas a visita ao Castelo.

Um passeio guiado, onde nos levam no interior do castelo e podemos aprender um pouco mais sobre a história desse magnífico lugar.

 

Durante o passeio, a guia nos mostrou uma vinícola que ela dizia ser muito boa. Decidimos sair do castelo e achar o caminho até lá. Detalhe, não lembrávamos o nome. Como o Joca é muito bom em localização, achou o caminho até a vinícola. E foi uma deliciosa descoberta. Que lugar incrível!!! Pago de Carraovejas.

As visitações para o dia já estavam encerradas pois eles combinam visita com almoço, e as vagas já estavam esgotadas. Mas, além do restaurante, eles tem um bar, com algumas mesas, uns petiscos, vinhos e uma vista sensacional!!!

Sentamos, pedimos uns petiscos, um jamon hibérico que eles cortam na hora, e fizemos uma degustação completa dos vinhos disponíveis nos bar.

 

 

Depois de apreciar bastante a vista do local,

 

seguimos nosso tour pela região, e fomos até Valladolid, onde tínhamos um jantar reservado.

Estacionamos e saímos bem em frente a Igreja. Linda!!!

Mas como era tarde, fomos direto para nosso jantar. Restaurante Trigo.

1 estrela guia michelin e 2 sóis guia repsol. Simplesmentte impecável! Um ambiente pequeno mas bem aconchegante.

Nossa atendente era muito simpática e atenciosa. Super preocupada em nos agradar.

A comida estava muito gostosa e o Joca escolheu um vinho super especial.

 

Com certeza, a melhor refeição da viagem. Super recomendo!!!

Nosso dia começou na Finca VillaCreces, onde havíamos agendado um picnic com passeio de bike.

Durante vários séculos, Villacreces foi um centro de retiro para os eremitas franciscanos dedicados à reflexão e penitência, bem como trabalho de campo e observação da natureza. Em 2004, os atuais proprietários que já tinham adega em Rioja (Izadi) e Toro (Vetus), adquiriram a propriedade. Após a remodelação da adega e um trabalho consciencioso de recuperação da vinha, a Villacreces foi reaberta em 2007, com 64 he de terras.

Nosso passeio foi ao redor das 15 parcelas de vinhedos. Nossa guia, muito simpática, nos levou para um delicioso passeio de bike ao redor das vinhas. Para cada parada, uma explicação sobre as uvas ali encontradas.

Não fomos na área de produção. Ela apenas nos mostrou o local pelo seu exterior. Seguimos de bike até o local do picnic.

Eles providenciam um cesta com as comidas, o vinho e um cobertor que serve como toalha para nos alojarmos no local escolhido. Escolhemos um canto ao redor de algumas árvores e estendemos nossa toalha. A comida estava bem gostosa.

O vinho foi o Pruno. O melhor vinho espanhol da história por menos de 20 dólares, segundo Robert Parker.

Estava bem agradável! A única coisa desagradável, foi o frio. Estava ventando muito e acabamos nosso picnic sentados nas cadeiras e cobertos pela toalha do picnic, degustando nosso vinho para nos manter aquecidos. 🙂

Retornamos para o hotel e fizemos o tour pelo monastério.

O tour, para ser guiado, tem que ter agendamento prévio, com horários pré determinados por eles. Fizemos o tour com o tradutor individual. Lindo o local e bem interessante a história.

Foi fundada no século XII por Estefanía Armengol, em 15 de fevereiro de 1143. Foi repovoada em 1151 por monges da abadia francesa de Berdona, e chegou a acumular importantes níveis de poder na Idade Média, graças aos privilégios papais, reais e imponentes concedidos, ao longo da segunda metade do século XII e nas primeiras décadas do século XIII.

No entanto, esta situação mudou nos séculos góticos. No final do século XIII e XIV, todo o monastério entrou num período de declínio, que só recuperou sua importância durante os séculos XVI, XVII e grande parte do século XVIII, onde monastério manteve a sua atividade religiosa.

Na segunda década do século XVIII e especialmente nos primeiros anos do século XIX, o mosteiro sofreu mais uma vez uma crise.  Durante a segunda metade do século XX, o Instituto Nacional de Colonização realizou alguns pequenos trabalhos de restauração no mosteiro, mas foi á partir de meados dos anos 90 do século XX, que à fundação As Eras do Homem,  recuperou o seu esplendor do passado.

Em 2002 instalou a sua sede permanente no monastério, e em uma parte do mosteiro foram instalados os escritórios de restauração e oficinas, enquanto na outra ala o hotel.

A igreja do mosteiro é um claro exemplo da sobriedade característica da arquitetura cisterciense. O claustro e todas as dependências monásticas que foram reconstruídas depois da igreja, no século XIII, são exemplos muito característicos de uma arquitetura transitória entre a estética românica e a do final da Idade Média.

Um tour delicioso e muito agradável, que pode ser feito por qualquer pessoa, independente de ser hóspede. Recomendo!!!

Os hóspedes do hotel podem reservar um tour de uma vinícola local sem custo. Fizemos esse agendamento. Andamos até o local. Uma agradável caminhada. Baden Numen era a bodega.

Uma vinícola familiar, de médio porte. Fomos recepcionados por um dos donos. A visita é feita na área de produção da mesma.

Um espaço único e, relativamente, pequeno. Nos mostrou as vinhas, de longe, e seguimos para a degustação. Degustamos todos os vinhos produzidos no local. Baden 2018, Baden Crianza 2016 e Baden reserva 2016.

Vinhos elaborados com carinho são sempre muito gostosos. Quando todos foram embora, ficamos um pouco mais para saber de mais detalhes da história deles. Foi quando ele nos surpreendeu com uma garrafa do primeiro vinho produzido por eles. Baden Crianza 2009.

Que vinho especial!!! Gostamos muito de tudo! Uma visita muito agradável.

 

Voltamos para o hotel, curtindo um maravilhoso pôr-do-sol.

Antes, paramos na lojinha dos donos da Baden para abastecer a mala antes de retornar para o Brasil. Acho que exageramos um pouquinho!!! 25 vinhos nas malas. 🙂

Nossa última noite, resolvemos jantar no restaurante do hotel. Não nos arrependemos. Comida muito gostosa, atendimento top e ambiente muito agradável. Boa carta de vinhos e um preço muito bom.

 

 

Já estamos com saudades dessa deliciosa viagem. Espero que tenham gostado da mesma forma que nós.

Até o próximo roteiro…