Topo

Castiglione Falletto

Nossa visita a Vietti foi feita à tarde. Passamos o dia com o Lorenzo da Vietti. Primeiro fizemos a degustação na Coppo, depois almoçamos juntos e, finalmente, chegamos até a Vietti. Um lugar lindo, com uma vista deslumbrante para as parreiras da vinícola.

A Vietti fica em Castiglione Falletto, que é uma comunidade italiana que fica no Piemonte, província de Cuneo, com aproximadamente 600 habitantes.

Lorenzo nos guiou pela área de produção dos vinhos e nos contou um pouco da história da vinícola. Também uma vinícola com tradição familiar. Muito legal a visita!

Seguimos então para a degustação. Ele nos serviu 11 vinhos…isso mesmo 11. Começamos com um Roero Arrneis 2013. Um vinho branco 100% arneis. Bastante refrescante e um bom começo. Seguimos então para a degustação dos Barbera. Foram Barbera d’Alba Vigna Scarrone 2012, Barbera d’Alba Vigna Vecchia Scarrone 2012 e Barbera d’Asti La Crena 2010. Todos são 100% barbera. O nome do vinho geralmente remete ao local aode as uvas são plantadas.

A diferença entre os 2 scarrones é que ume produzido de parreiras antigas e o outro de parreiras mais novas. Mesma uva, mesmo solo, mesmo local. As parreiras estavam muito antigas, então eles tiveram que plantar parreiras mais jovens, mas resolveram manter parte das parreiras antigas e separaram as produções. Isso acarretou nesses 2 belos vinhos que degustamos.

Difícil dizer qual estava melhor, mas eu trouxe na mala uma caixa do Barbera d’Alba Vigna Vecchia Scarrone 2012, então, desses acho que foi meu preferido.

Seguimos então para o Nebbiolo Perbacco 2012, 100% Nebbiolo e Barbaresco Masseria 2010, também 100% Nebbiolo mas da região de Treiso. O Barbaresco fica envelhecendo por 26 meses em barrica de carvalho esloveno. È um vinho bem encorpado onde você percebe bem o tanino do vinho. Boca fica seca bem rápido.

Em seguida fomos para a degustação dos Barolos. Barolo Castiglione 2011, Barolo Lazzarito 2011, Barolo Ravera 2011, Barolo Brunate 2011, Barolo Rocche di Castiglione 2011. Todos bem jovens para serem bebidos, mas o que estava melhor era o Brunate, por ser plantado em um solo que faz com que a uva tenha características mais leves.

A diferença entre o Barolo e o Barbaresco, além das regiões em que são plantadas as uvas, é que o Barolo deve necessariamente ser envelhecido por três anos, dos quais dois em madeira, enquanto Barbarescos demandam apenas dois anos, dos quais pelo menos um em madeira. A uva Nebbiolo da região de Barvbaresco amadurece mais cedo. È um vinho mais leve que o Barolo, o que explica a necessidade de menor tempo de envelhecimento em madeira.

O Barolo Ravera 2010 foi pontuado 100 pontos pelo Antonio Galloni, na época colaborador do Parker na Itália e conseguimos sair com 2 garrafas para trazer ao Brasil. Nada como ter bons amigos!!!!

Após essa degustação toda, Lorenzo ainda pegou 2 garrafas de vinho: um barolo brunate 2003 e um barolo rocche 2003 e nos levou em um incrível restaurante chamado Le Case della Saracca. Amei esse lugar! Super bem decorado, moderno, comidas deliciosas e o vinho nem preciso dizer….muito bom. Para maiores informações sobre o restaurante, vá em guia de restaurantes na Itália.

Se você quiser marcar uma visita para conhecer melhor a Vietti, entre em contato com eles através do site:

http://www.vietti.com

ou através dos contatos abaixo listados.

Tel. +39.0173.62825

info@vietti.com

[Best_Wordpress_Gallery id=”25″ gal_title=”vietti”]

Nossa visita a Vietti foi feita à tarde. Passamos o dia com o Lorenzo da Vietti. Primeiro fizemos a degustação na Coppo, depois almoçamos juntos e, finalmente, chegamos até a Vietti. Um lugar lindo, com uma vista deslumbrante para as parreiras da vinícola.

A Vietti fica em Castiglione Falletto, que é uma comunidade italiana que fica no Piemonte, província de Cuneo, com aproximadamente 600 habitantes.

Lorenzo nos guiou pela área de produção dos vinhos e nos contou um pouco da história da vinícola. Também uma vinícola com tradição familiar. Muito legal a visita!

Seguimos então para a degustação. Ele nos serviu 11 vinhos…isso mesmo 11. Começamos com um Roero Arrneis 2013. Um vinho branco 100% arneis. Bastante refrescante e um bom começo. Seguimos então para a degustação dos Barbera. Foram Barbera d’Alba Vigna Scarrone 2012, Barbera d’Alba Vigna Vecchia Scarrone 2012 e Barbera d’Asti La Crena 2010. Todos são 100% barbera. O nome do vinho geralmente remete ao local aode as uvas são plantadas.

A diferença entre os 2 scarrones é que ume produzido de parreiras antigas e o outro de parreiras mais novas. Mesma uva, mesmo solo, mesmo local. As parreiras estavam muito antigas, então eles tiveram que plantar parreiras mais jovens, mas resolveram manter parte das parreiras antigas e separaram as produções. Isso acarretou nesses 2 belos vinhos que degustamos.

Difícil dizer qual estava melhor, mas eu trouxe na mala uma caixa do Barbera d’Alba Vigna Vecchia Scarrone 2012, então, desses acho que foi meu preferido.

Seguimos então para o Nebbiolo Perbacco 2012, 100% Nebbiolo e Barbaresco Masseria 2010, também 100% Nebbiolo mas da região de Treiso. O Barbaresco fica envelhecendo por 26 meses em barrica de carvalho esloveno. È um vinho bem encorpado onde você percebe bem o tanino do vinho. Boca fica seca bem rápido.

Em seguida fomos para a degustação dos Barolos. Barolo Castiglione 2011, Barolo Lazzarito 2011, Barolo Ravera 2011, Barolo Brunate 2011, Barolo Rocche di Castiglione 2011. Todos bem jovens para serem bebidos, mas o que estava melhor era o Brunate, por ser plantado em um solo que faz com que a uva tenha características mais leves.

A diferença entre o Barolo e o Barbaresco, além das regiões em que são plantadas as uvas, é que o Barolo deve necessariamente ser envelhecido por três anos, dos quais dois em madeira, enquanto Barbarescos demandam apenas dois anos, dos quais pelo menos um em madeira. A uva Nebbiolo da região de Barvbaresco amadurece mais cedo. È um vinho mais leve que o Barolo, o que explica a necessidade de menor tempo de envelhecimento em madeira.

O Barolo Ravera 2010 foi pontuado 100 pontos pelo Antonio Galloni, na época colaborador do Parker na Itália e conseguimos sair com 2 garrafas para trazer ao Brasil. Nada como ter bons amigos!!!!

Após essa degustação toda, Lorenzo ainda pegou 2 garrafas de vinho: um barolo brunate 2003 e um barolo rocche 2003 e nos levou em um incrível restaurante chamado Le Case della Saracca. Amei esse lugar! Super bem decorado, moderno, comidas deliciosas e o vinho nem preciso dizer….muito bom. Para maiores informações sobre o restaurante, vá em guia de restaurantes na Itália.

Se você quiser marcar uma visita para conhecer melhor a Vietti, entre em contato com eles através do site:

http://www.vietti.com

ou através dos contatos abaixo listados.

Tel. +39.0173.62825

info@vietti.com

[Best_Wordpress_Gallery id=”25″ gal_title=”vietti”]